terça-feira, 29 de novembro de 2016

Se a fé move montanhas
Os terramotos criam novas
Prefiro abanar do que deslocar

As religiões, ondas de artimanhas
Erigem aos crentes altas provas
Avalanches impossíveis de superar

Geram elas as montanhas
Lançando engodo de as arredar
Deixam à crença falsa esperança
Pois só um tremor as pode derrubar

Por detrás delas,
Acenam com um paraíso a conquistar
Por defronte,
Exigem paga de uma vida a acreditar
Pelo meio,
Também e sempre a nos enganar

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...