quarta-feira, 1 de junho de 2016

E só mais uma noite
De verão
Em que grilos e sapos
Teimam
Mas ambos acordam
Quem melhor talento tem
Para adormecer o riacho

É só mais uma noite
Qualquer
Em que sozinho me perco
Sozinho me reacho
Entre a intermitência
Desafiante
De um mestre coaxo
E sua eminência
Grilo cantante

E por essa noite vou eu
Sou sempre eu na noitidão
Corrente acima
Ouvinte
Não falante
Acorrentado abaixo
Achado a montante
Perdido a jusante
Enquanto não vai dormindo
O riacho

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...