quarta-feira, 27 de abril de 2016

Prostrado num imenso chão/Mão direita suportando o pensamento/A esquerda a esfregar o desespero/ Olhar travesso pela janela, impermeável à luz/Lá dentro, insipidamente, nada vai acontecendo/Fora aquele momento, incolor e inodoro

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...