terça-feira, 26 de agosto de 2014

"Por Quem Pedimos?"

O homem da rua
Sentado no chão
Dignidade esticada
Sob a forma de mão

Andrajoso pedidor
Esconde no coração
Muitas formas de dor
Mais aquela de não ter pão

O mundo vai passando
E mal olha ou ouve o pedinte
Uns de esguelha assobiando
Outros prontos para ignorar o seguinte

O homem está na rua
Criou raizes naquele chão
Ao menos esta é sua
Noutras, mais companheiros de mão

Subitamente não é ele que vai pedindo
Somos nós que nos pedimos
Para não ligamos e fugirmos
Da rua sem caminho ou estação

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...