sexta-feira, 22 de agosto de 2014

"Pó"

Quem quiser saber de mim
Não precisa perguntar-me
Não precisa ler-me
Precisa que eu o e me deixe

Não basta bater à porta
Não basta querer entrar
Há que saber como ficar
E me convencer a deixar

Estar por estar
Na sombra do pó
Nesta morada não entra nada
E o nada é uma forma de recomeçar
Arrogantemente só

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...