quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

"Brilhos"

Ora sou simples ou complexo
Também complexamente simples
E por vezes simplesmente sem nexo
Guardo memórias de gente ausente
Conto histórias do futuro que será presente
Gerando recordações de gente inexistente
Mas sou também simplesmente complexo
Quando sozinho busco nos espelhos que miro
Imagens que não da frente de meu reflexo
Em jeito de quem quer partilhar seu retiro
Aos que simplesmente costas não viro
Pois de forma simples neles se me promete
Vislumbrar meu brilho que nenhum espelho reflecte
Pois é luz escondida sob o contorno de moldura
Que raia somente aos que me sabem perceber
Gente ida, de hoje e de minha vida futura
Que quero simples e completamente enternecer
Gente como tu Isa, que de sempre foste e serás
Que simplesmente amo e sei que me amarás
Com a tranquilidade de em nós não haver o complexo
De mostrar brilho que não o que emana de nosso real reflexo
Porque somos um no outro, simplesmente a mesma imagem
Que, até no espelho mais reluzente, os outros apenas mirarão miragem

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...