sábado, 21 de janeiro de 2012

“Perfeita e Eterna Combinação”

Homem de números em raiz de poeta
Mistura improvável e quase estranha
Casando perfeitamente com secretária profeta
Tão intensamente que todo o amor se entranha

Aparentes opostos, contudo tão iguais
Em mulher e homem ímpares mas sem par
Sua junção foi tudo, muito além do demais
Que seu destino será o de um ao outro amar


Em caminhada conjunta, ainda que distante
De mão dada nas palavras e ideias trocadas
Fazem perdurar eternamente cada instante
Em que suas mãos são efectivamente tocadas


Pois se o destino os juntou sem acaso de sorte
O destino os irá guiar conjuntamente até seu fim
Levando-os sempre felizes até ao seu leito de morte
No qual outro a um lembrará o dia em que disseram sim

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...