domingo, 18 de dezembro de 2011

"Amor Puro"

Tido como utopia e necessariamente inalcançável
Por ausência de fé em metades perfeitas
Não sabia porém que do fluir intenso e inigualável
De sussurro de almas outrora rendidas, mas ora refeitas
Se soltariam palavras iguais que jamais serão desfeitas

Sentidas no silêncio suspirante tão sentido
Ao despojarmo-nos totalmente do eu
Pois de ti para mim se vai reflectindo
O brilho de espelho que ambos nos acolheu

Na palavra ouvida em uníssono perduro
Solta-se tudo o que me traz inseguro
Por sentir que consciente em ti me amarro
Pois és reflexo da beleza do amor puro

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...