sábado, 29 de outubro de 2011

"A Entes Passados Presentes"

Sentido regresso a convívio
De entes que fisicamente desanexei
Ausente de remorso ou alívio
Mas presente na dor que deixei

Trilhei-os por encruzilhadas de caos
Invertendo dos relógios ponteiros
Em depressão lhes leguei eus maus
Fazendo todos dias não soalheiros

Reafinados os confundidos mecanismos
Por diapasão que dobrou cabos como sinos
Faz-se espaço de despojá-los de vil herança
Testamentando o bom eu que diz esperança

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...