segunda-feira, 26 de setembro de 2011

"Envelhecimento Suave E Realizado"

Orgulho-me de cada ruga que o tempo vincou na face. Recordam-me alegrias imensas e tão fortemente sentidas cujas sobras dentro de mim remanesceram. Guardo-as como coordenadas do mapa da vida já vivida e preservo-as como trilhos sagrados por onde deixei, e deixarei, lágrimas escoar.

Olho com um sorriso para as manchas que a idade foi tingindo na minha pele. Tenho-as como sóis e outras estrelas de inúmeras cores que sublimemente para mim brilharam, qual céu do norte que me há-de continuar a orientar.

Sinto ternura pela flacidez do meu corpo, pois foi outrora berço do despontar de outras vidas quando a sua elasticidade e firmeza imperavam.

Despreocupo-me com as dificuldades de movimento, pelo tanto que corri e saltei para os braços de amigos e de outros amores mais do que fraternais.

Esqueço-me docemente das falhas de memória, não esquecendo toda a beleza que me foi e é oferecida quando a lucidez plena surge sem aviso e reacende a luz do meu pensar.

Envelheço progressiva e suavemente sem lamentar as contrariedades que enfrentei, e bravamente continuarei a enfrentar, transformando as dores que por vezes sinto, e as que ainda terei de transportar, em forças plenas de vida para até ao fim dela desfrutar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...