sábado, 1 de outubro de 2011

"Descartada, Mas Continuo A Ser Trunfo"

Tempo dedicado pelo zelo de bem fazer
Subtraído da pertença em família
Nunca ignorando mero dígito ser
Em vossa visão de arrumos de mobília
Porém, realizada, em vós fica o amargo perder

Não me sintam pois penso outrora aposto
Agora removido para sarar outras feridas
Porque não perco a dignidade no rosto
Nem deixo no caminho mãos lambidas

Tirem-me do baralho qual trunfo descartado
Com trinta dinheiros de doce vil recompensa
Apenas vos deixarei um sorriso rasgado
Por saber quem sou em minha plena crença

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...