terça-feira, 20 de setembro de 2011

"Hoje Apetecia-Me Dizer, Não Escrever"

Na solidão refugio-me na palavra escrita
Comigo e de mim falo fingindo ser ouvido
Em simples frase aposta mas não dita
Sinto meu sentimento sentido

A textura das palavras vertidas em papel
Eterniza as rugas que da alma desprendo
Torna suave e doce o amargo do fel
Reforçando a ideia que jamais me rendo

Porém, pelo prazer de por alguém ser escutado
Numa mera palavra, mesmo irrelevante e isolada
Cambiaria todos os textos que redijo fechado
Que, tudo me dizendo, não me deixam dizer nada

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...