segunda-feira, 12 de setembro de 2011

"Devaneios Sobre a Amizade"

Bebemos sofregamente a vida em amigos de carácter puro
Sobre uma mesa de café servida numa simples conversa perduro
Entrego-lhes em mãos as chaves do meu santuário
Dando tudo o que posso, elevo-me espiritualmente a milionário

Mesmo nada pedindo, segurança em saber que posso contar
Porque a certeza de os conhecer exime-os de demonstrar
Em situações de dificuldade, conforto imperial
Convertem o opaco em cristalino e a ínvia ilusão em real

A amizade é intuitiva e desprovida de mistério
Entrelaça o fundo dos amigos, no limite assume irmandade
A suprema amizade, além de Forte, vem em ti Rogério
Suas fronteiras são curtas para um irmão de verdade

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...