quarta-feira, 12 de outubro de 2011

"Até As Pedras Choram"

Rios que expressam tristeza e dor descontroladas
Mas igualmente emoções e alegrias extravasadas
As lágrimas, sempre que necessário, devem fluir para o mar
Do freático dos olhos até à foz do mais profundo pensar

O que não chora, por opção ou incapacidade
Julga revelar sinal de força e perenidade
Porém, com tal insensibilidade
Recalca em si o que, não julgando sentir, sente de verdade

No homem e na mulher foram apostos olhos para admirar
Mas também para alegrar e expressar mágoa
Os olhos de quem chora alcançam mais longe e sabem idealizar
E até mesmo as pedras lágrimas deixam escoar
Ou será que as ilhas não estão ladeadas de água?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Vivi quase sempre no sonho Cedo me omiti da realidade Quando realizei o que não vivi Até para sonhar já era tarde E da não vida que se ...